Florianópolis registra três mortes em decorrência de síndromes respiratórias

Doenças caracterizadas como gripe e que agravam levando à internação são consideradas SRAG (Síndrome Respiratória Aguda Grave)

10.07.2019

Três pessoas morreram em decorrência de SRAG (Síndrome Respiratória Aguda Grave), em Florianópolis, neste ano. A informação foi divulgada em boletim da Vigilância Epidemiológica que também alertou para os 198 registros da síndrome na Capital. As vítimas foram um idoso de 83 anos, um homem de 44 anos e uma mulher de 52. Em ambos os casos de morte, a SRAG foi provocada pelo vírus Influenza A (H1N1).

Segundo a gerente de Vigilância Epidemiológica de Florianópolis, Ana Cristina Vidor, toda gripe ocasionada por vírus e que apresenta choque cardiogênico (estado mental alterado, taquicardia, pressão arterial baixa e ausência total de urina), desconforto ou insuficiência respiratória e saturação de O2 menor que 95%, levam à internação entrando, consequentemente, em um quadro de SRAG. Outras doenças respiratórias como pneumonia, tuberculose e asma não são classificadas como SRAG.

Do total dos 198 casos de SRAG notificados em Florianópolis, 51 casos foram ocasionados pelo vírus Sincicial respiratório que ataca principalmente crianças e idosos, 41 pelo vírus da influenza A (H1N1), e 94 casos foram por outros vírus respiratórios não identificados, classificados como SRAG não especificada. Ao menos 10% dos casos notificados seguem em investigação, aguardando resultado laboratorial.

Segundo Ana Cristina, o boletim serve também para alertar os funcionários da área da saúde sobre o aumento nos casos de SRAG e orientar para a notificação obrigatória e monitoramento do agravo.

O tratamento da doença deve ser feito por meio de hidratação, controle do padrão respiratório e medicamentos antivirais.

A SRAG é caracterizada por sintomas gripais, por exemplo, tosse, coriza e obstrução nasal. Febre de início súbito, acompanhada de tosse ou dor de garganta e pelo menos um destes sintomas: dor de cabeça, dor muscular ou dores nas juntas.

Para crianças com menos de dois anos, na ausência de outro diagnóstico específico, os sintomas de febre de início súbito, tosse, coriza e obstrução nasal, podem ser casos de síndromes gripais, ocasionadas por Influenza.

Para pacientes com idade acima de dois anos de idade, os sintomas são febre de início súbito, acompanhada de tosse, dores de garganta, muscular, nas juntas e na cabeça. Além de apresentar dificuldades respiratórias e outros sintomas enquadrados no SRAG.

Cuidados
A Vigilância Epidemiológica de Florianópolis reforça alguns cuidados básicos que as pessoas devem incluir em sua rotina para evitar contágios respiratórios, principalmente nessa época do ano. São eles:

Utilizar lenço descartável para higiene nasal;
Lavar as mãos várias vezes ao dia;
Cobrir nariz e boca quando espirrar ou tossir, caso não tenha lenço, proteja com o antebraço evitado as mãos que são importantes veículos de contaminação;
Evitar contato próximo a pessoas que apresentem sinais ou sintomas de gripe e resfriado;
Evitar tocar mucosas de olhos, nariz e boca;
Evitar sair de casa em período de transmissão da doença;
Higienizar as mãos após tossir ou espirrar;
Evitar aglomerações e ambientes fechados (procurar manter os ambientes ventilados);
Manter os ambientes bem ventilados;
Adotar hábitos saudáveis, como alimentação balanceada e ingestão de líquidos;
Não compartilhar objetos de uso pessoal, como talheres, pratos, copos ou garrafas.

Fonte: ND+

Voltar ao Topo

NOTÍCIAS RELACIONADAS

Envie sua notícia

(47) 99262-4189

© 2019 SANTA CATARINA NEWS. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS.
Livre reprodução, transmissão ou redistribuição dos conteúdos sem edição. Pede-se a citação do crédito.

Site desenvolvido por: