Dia Mundial do Meio Ambiente: Votorantim Cimentos antecipa recuperação de área em Vidal Ramos

Divulgação

No próximo dia 5 de junho será celebrado o Dia Mundial do Meio Ambiente e a Organização das Nações Unidas (ONU) propõe como tema para este ano a “Restauração de Ecossistemas”. O Paquistão será o país anfitrião dos debates e, na ocasião, será lançada a “Década da Restauração de Ecossistemas”. Esse caminho proposto pela ONU é crucial para as próximas ações em prol da natureza, pois indica iniciativas que auxiliam tanto a conservação dos ecossistemas ainda intactos quanto na recuperação da biodiversidade.

É nessa frente que vem atuando a Votorantim Cimentos em Santa Catarina. Em uma trabalho de oito anos realizado na Mina Bugre, na cidade de Vidal Ramos (confira vista área aqui), dos 36 hectares do local já estão em recuperação quase metade (16 hectares). Na área possui um Depósito Controlado de Estéril (DCE), ou seja, estoca recursos minerais que não são usados na fabricação de cimento. A produção do cimento começa na mineração com a extração de minerais de jazidas de calcário e argila. As empresas possuem obrigação legal de recuperar as áreas impactadas por essas atividade.

A gerente de Meio Ambiente da Votorantim Cimentos, Regiane Veloso, explica que a data para honrar com esse compromisso varia de acordo com o programa de recuperação de cada mina, licenciado por órgãos ambientais estaduais. Muitas vezes o início da recuperação da área começa só no fim das atividades de mineração. “Porém, a Votorantim Cimentos tem como prática realizar um provisionamento do recursos e antecipar, quando possível, a recuperação de áreas já com exploração encerrada, o que resulta em ganho ambiental já no presente, de uma obrigação que seria necessária apenas no futuro. As ações do Programa de Recuperação (PraD) e encerramento de minas são sempre pautadas pelos Planos de Fechamento de Minas, baseados nas melhores práticas ambientais e referências técnicas da área”, esclarece.

Recuperando a floresta em três passos

No caso catarinense, a produção de cimento na cidade começou em julho de 2011, e a recuperação da Mina Bugre foi iniciada previamente, ou seja, antes mesmo de atingirmos o volume final projetado de estocagem. O que está sendo feito no local para recuperação da área acontece em três etapas.

Primeiro é preciso cuidar do solo assegurando que o local tenha os nutrientes adequados para garantir a fertilidade das espécies vegetais que serão plantadas. Então, é depositado o solo original (previamente retirado do próprio local e estocado), a partir do decapeamento da mina (processo de abertura superficial da jazida).

Depois o foco é garantir a manutenção genética. Isso significa plantar no local em recuperação a vegetação o mais nativa, característica da região (bioma). “Para isso, realizamos uma coleta de sementes na floresta e produzimos mudas em viveiro que são plantadas no local. Também é preciso fazer uma drenagem para redirecionar águas e preservar corpos hídricos, afinal temos que evitar processos erosivos e eventuais infiltrações”, destaca o Regiane.

Por fim, vem a certificação de que a floresta vai “ficar de pé”, a etapa mais longa. Ela demora cerca de 5 anos para ser finalizada, desde o afloramento das mudas até alcançar a biodiversidade esperada para o local. “Nesses 8 anos, plantamos quase 90 mil mudas na Mina Bugre. São cerca de 10 mil mudas por ano. O plantio das mudas exige que a gente acompanhe de perto o desenvolvimento delas para repor aquelas que não se desenvolvem, elas podem precisar de até 2 anos de cuidado. A técnica do plantio exige controle de insetos (principalmente formigas), o coroamento e a adubação”, detalha Regiane.

Esse trabalho de recuperação permite obter uma nova floresta secundária, o que já é possível de ver em Vidal Ramos em fotos de antes e depois da Mina Bugre.

Compromisso com o Meio Ambiente

Na Votorantim Cimentos sustentabilidade é uma jornada. “Assumimos o compromisso de garantir, no ano de 2020, que todas nossas minas tivessem um plano de reabilitação e gestão de biodiversidade local e para regiões sensíveis. E a meta foi atingida. Hoje, 100% das minas possuem plano de fechamento, além das minas em áreas sensíveis à biodiversidade, definidas em 2015, possuem plano de gestão da biodiversidade. O caso de Vidal Ramos está servindo de exemplo de Boas Práticas nossas operações no Brasil”, afirma Regiane.

Para 2030, a caminhada da empresa continua a fim de reduzir sua pegada ambiental. Tanto que assumiu o compromisso público de implementar as ações agendadas dos planos de gestão atuais e evoluir na implementação dos nossos planos de gestão hídrica e de biodiversidade em áreas sensíveis.

Sobre a Votorantim Cimentos

Fundada em 1933, a Votorantim Cimentos é, hoje, uma das maiores empresas internacionais do setor. O portfólio de materiais de construção vai além de cimentos e inclui concretos, argamassas e agregados. A companhia também atua nas áreas de insumos agrícolas, gestão de resíduos e coprocessamento. São cerca de 12 mil empregados e uma receita líquida de R$ 16,7 bilhões em 2020. As unidades da Votorantim Cimentos estão estrategicamente próximas aos mais importantes mercados consumidores em crescimento e presente em dez países, além do Brasil: Argentina, Bolívia, Canadá, Espanha, Estados Unidos, Luxemburgo, Marrocos, Tunísia, Turquia e Uruguai.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp

Leia Também