Mel de Melato da Bracatinga do Planalto Sul brasileiro conquista selo de Indicação Geográfica

Registro valoriza o produto, o território e colabora para o desenvolvimento da economia local. Essa é a 5º Indicação Geográfica registrada em Santa Catarina
Crédito: Antonio Carlos Mafalda

O Mel de Melato da Bracatinga do Planalto Sul brasileiro, único no mundo, conquistou o selo de Indicação Geográfica (IG), concedido nesta terça-feira, 20 de julho, pelo Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI). A qualidade do Mel de Melato da Bracatinga produzido na região é reconhecida devido às características geográficas, de clima, fauna, flora e manejo. A Indicação Geográfica conquistada é na modalidade de Denominação de Origem, que considera que as características geográficas (naturais e humanas) dessa região determinam a singularidade e a qualidade do produto.

Esse reconhecimento é resultado de uma parceria entre o Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae/SC), a Empresa de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural de Santa Catarina (Epagri), as Federações de Associações de Apicultores dos três estados do Sul (FAARGS, FEAP, FAASC), a Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Associação dos Municípios da Região Serrana (Amures), Secretaria Estadual de Agricultura da Pesca e do Desenvolvimento Rural e Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA).

A conquista do selo de Indicação Geográfica destaca que o Mel de Melato da Bracatinga produzido na região é diferenciado dos outros produzidos no país, valorizando sua história e características únicas. Por meio do selo, o Mel de Melato da Bracatinga tem mais potencial de agregar valor econômico e conquistar novos mercados.

O Mel de Melato da Bracatinga é fabricado pelas abelhas a partir do líquido açucarado que um inseto chamado cochonilha produz ao se alimentar da seiva da bracatinga. Esse fenômeno ocorre apenas em regiões com altitudes acima de 700 metros no Planalto Sul Brasileiro em anos pares, durante os meses de janeiro a maio, em algumas áreas de Santa Catarina, do Paraná e do Rio Grande do Sul. O mel de melato é mais escuro, menos adocicado que o de origem floral e possui maior quantidade de minerais, além de maiores efeitos benefícios à saúde. Em Santa Catarina, 95% da produção desse mel é exportada.

“O mel de melato é um produto único no mundo, diferenciado e com um valor maior do que o mel floral. Ele é mais escuro justamente porque tem muitos minerais. A sua produção vem crescendo ano a ano, e o mercado está cada vez melhor. A conquista do selo de Indicação Geográfica vem agregar mais valor ao produto, dando garantia e segurança aos consumidores de que ele é genuíno dessa região. Com o produto mais valorizado e conhecido, o produtor terá a sua marca assegurada, o que também contribui para o aumento de renda dos apicultores”, afirma Ivanir Cella, presidente da Federação das Associações de Apicultores e Meliponicultores de Santa Catarina e vice-presidente da CBA Confederação Brasileira de Apicultura e Meliponicultura.

Além da conquista de Indicação Geográfica para o Mel de Melato da Bracatinga, o estado está representado por Indicações Geográficas de produtos como os Vinhos de Altitude de Santa Catarina, os Vinhos e Espumantes de Uva Goethe, dos Vales da Uva Goethe, a Banana da Região de Corupá e o Queijo Artesanal Serrano, no Campos de Cima da Serra.

“Essa é a quinta Indicação Geográfica registrada em Santa Catarina, e conquistas como essas que nos deixam orgulhosos do trabalho que vem sendo realizado pelo Sebrae/SC, em parceria com outras entidades, em busca da valorização de produtos únicos e tradicionais de diferentes regiões de Santa Catarina. Estamos apoiando, também, a criação de uma estratégia que irá criar uma cesta de produtos catarinenses diferenciados pela origem, e com isso buscamos mobilizar outros empreendedores e produtores do Estado a buscar essa valorização e gerar desenvolvimento territorial. A conquista dessa IG reconhece e valoriza o trabalho e a dedicação dos apicultores catarinenses, gaúchos e paranaenses, que são verdadeiros exemplos de que a agricultura familiar do sul do país é empreendedora, dinâmica e de muita qualidade. Essa IG, que agrega os 3 estados do sul do país, pode apoiar não só a geração de valor ao produto, mas, sobretudo, agregar valor ao território, estimulando a geração de novos negócios e integrando setores como o agro, a gastronomia e o turismo”, afirma o diretor técnico do Sebrae/SC, Luc Pinheiro.

Já a presidente da Epagri, Edilene Steinwandter, reforça a relevância da conquista. “Essa IG é a comprovação da excelência do mel de melato produzido no Planalto Sul Brasileiro. Também coroa o trabalho pioneiro da Epagri de reconhecer e documentar a importância desse produto que, por suas características, se destaca internacionalmente”, ressalta. Ela lembra que a capilaridade da Epagri, que está presente em todos os municípios do Estado, dá à Empresa o privilégio de poder identificar com rapidez e precisão as peculiaridades do que é produzido no território catarinense. “Nossos extensionistas sempre caminharam ao lado destes apicultores, dando as orientações necessárias para a produção do mel de melato da bracatinca e a consequente concessão da IG”.

O selo do INPI reconhece o Mel de Melato da Bracatinga produzido em área delimitada, que engloba as cidades de Santa Catarina, Rio Grande do Sul e Paraná. Ao todo, são 134 municípios, sendo que 107 são municípios catarinenses e representam 45% da área do estado. No Paraná, a área de abrangência é de 8,5% do território, e no Rio Grande do Sul de 7%.

“A IG é uma forma de garantia de que o produto é genuíno e possui qualidades particulares. São vários fatores que são analisados, como fitogeografia, clima, altitude, produção do mel e o saber fazer. Com a concessão do selo de IG, todos saem ganhando, o produtor através da agregação de valor, a região, que é reconhecida e oportuniza o turismo, e o consumidor, que adquire um produto de excelente qualidade e com história. Esse trabalho é realizado a muitas mãos, e a Epagri teve participação no estudo das características edafoclimáticas da região e o mapeamento com delimitação da área”, explica Rodrigo Durieux da Cunha, chefe da Divisão de Estudos Apícolas da Epagri e coordenador da Câmara Setorial da Apicultura e Meliponicultura de Santa Catarina.

São 1.350 apicultores, distribuídos em Santa Catarina (1.108), Paraná (66), e Rio Grande do Sul (26), com aproximadamente 120.000 colmeias rastreadas, cadastradas. São mais de 58 mil km² de área cultivada e cerca de 500 toneladas do Mel de Melato da Bracatinga produzidas por Safra a cada dois anos. Os apicultores em toda a região estão organizados em 16 associações.

“O selo de Indicação Geográfica é uma grande conquista para os produtores e o mercado, porque vai muito além do produto, mas envolve toda a região, desenvolvendo turismo e diversos outros setores. O Mel de Melato é um produto bastante típico na região e tem tudo para agregar valor”, afirma Mara Rúbia Romeu Pinto Muller, da Secretaria Estadual de Agricultura da Pesca e do Desenvolvimento Rural, que atuou na expedição de delimitação da área em Santa Catarina.

Para o apicultor e proprietário do Apiário Real, localizado em São Joaquim, Joel de Souza Rosa, a conquista de Indicação Geográfica é recebida com muita alegria. “Essa conquista irá valorizar ainda mais a venda do nosso produto, garantindo que ele é uma iguaria e é único. Agora, acreditamos que o mercado será mais expansivo, e que essa conquista irá somar para todos”, afirma.

Atualmente, o Sebrae/SC e outros parceiros lideram o processo de conquista da IG para as Ostras de Floripa, o Camarão de Laguna, Cachaça e Banana de Luiz Alves, Linguiça Blumenau, Maçã Fuji da Região de São Joaquim e o Alho Roxo do Planalto Catarinense.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp

Leia Também