ArcelorMittal Brasil lança meta de redução de emissão de CO₂ até 2030

Redução de 10% se insere no compromisso global do Grupo de tornar-se carbono neutro até 2050. Meta foi anunciada no evento de lançamento do Relatório de Sustentabilidade da empresa
Divulgação

A ArcelorMittal Brasil lançou em junho a meta de reduzir suas emissões de CO₂ em 10% até 2030. O compromisso foi anunciado durante evento de divulgação do Relatório de Sustentabilidade da ArcelorMittal 2020, como parte das ações da empresa para marcar a Semana do Meio Ambiente.  A meta instituída para as operações do Grupo ArcelorMittal no Brasil é um passo intermediário dentro do esforço global da produtora de aço de se tornar carbono neutro até 2050. Globalmente, a companhia já se comprometeu com investimentos de cerca de R$ 1,9 bilhão para o desenvolvimento de tecnologias de carbono neutro pelos Centros de Pesquisa & Desenvolvimento do Grupo ArcelorMittal.

Segundo Benjamin Baptista Filho, presidente da ArcelorMittal Brasil e CEO ArcelorMittal Aços Planos América do Sul, a redução das emissões de CO₂ é uma exigência de governos, sociedade e consumidores de aço de todo o mundo e está em linha com as premissas do Acordo de Paris, o tratado mundial para combate aos efeitos do aquecimento global. “A indústria do futuro será carbono neutra. E a ArcelorMittal está empenhada em liderar o processo de transição e colaborar decisivamente para que os objetivos do Acordo de Paris sejam alcançados”, afirma Baptista.

A integração do desenvolvimento sustentável à estratégia do negócio é essencial para garantir que o aço seja o material de escolha em um mundo mais circular e de baixo carbono. “A ArcelorMittal está comprometida publicamente com os objetivos de reduzir significativamente os impactos ambientais, ser uma empresa mais inclusiva e igualitária, atenta aos anseios da sociedade e sua responsabilidade na redução da pegada de carbono do aço. Para atingir esse propósito, iremos buscar as tecnologias disponíveis, ajustar os processos e produzir aço de forma mais reciclável e renovável”, explica Jefferson De Paula, CEO ArcelorMittal Aços Longos LATAM e Mineração Brasil.

Entre as iniciativas a serem desenvolvidas e implementadas pela ArcelorMittal Brasil estão o aumento do uso de sucata como matéria-prima, a utilização de gás natural e a otimização do uso do carvão vegetal nas unidades que já utilizam o combustível. De acordo com Guilherme Abreu, gerente-geral de Relações Institucionais e Sustentabilidade da ArcelorMittal Brasil, os ganhos de eficiência energética serão importantes para preparar a empresa para o grande salto a ser dado. “Até 2030 trabalharemos com melhoria dos processos existentes. Depois disso, teremos acesso a tecnologias disruptivas, que tornarão a ArcelorMittal carbono neutra até 2050. A empresa acredita que tem a escala, os recursos e a capacidade tecnológica para proporcionar um impacto significativo e já identificou as rotas para a fabricação de aço neutro em CO₂”, afirma.

Em âmbito global, a ArcelorMittal estuda alternativas tecnológicas para utilizar os gases de processo que contém CO₂, produzindo etanol para consumo e uso na indústria química. Também está em desenvolvimento processo de uso de resíduos de madeira para produção de biocombustível, similar ao processo de produção de carvão vegetal que já é utilizado no Brasil.  Segundo Abreu, uma tecnologia promissora – em estágio inicial de desenvolvimento na ArcelorMittal Hamburgo, na Alemanha – permitirá a substituição do carbono fóssil por hidrogênio produzido com energia limpa para redução do minério de ferro.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp

Leia Também