Cabeça de Chapéu: poética inaugural de Dante Filho surpreende pela solidez e sutileza

Divulgação

O jornalista Dante Filho lançará este ano em Campo Grande seu primeiro livro de poemas, “Cabeça de Chapéu” (Editora CopArt, 90 páginas). Trata-se de um livro artesanal, com número de exemplares limitado, capa dura, cuja imagem da capa e contra-capa é um detalhe de uma tela de Humberto Espíndola (“Mulheres de Burca”).

O livro foi financiado com recursos do autor e de um pequeno grupo de amigos, sem qualquer patrocínio público, o que, por si só, revela compromisso e independência quando se trata da criação de obra de arte.

O livro foi produzido no ano passado, durante o período de quarentena em que o jornalista confinou-se, permitindo dedicação exclusiva ao projeto, escrevendo e reescrevendo vários poemas, geralmente com temática metafísica, seguindo a linha das obras filosóficas clássicas e modernas, com forte influência de Drummond, Bandeira, Fernando Pessoa, Whitman e tantos outros.

No conjunto, “Cabeça de Chapéu” é uma narrativa de viagem de um personagem imaginário ( vivendo dentro de um chapéu) que percorre o espaço do sertão existencial rumo ao mar. Neste aspecto, trata-se de uma Odisseia “meia boca”, no qual fragmentos biográficos se misturam a memórias esparsas, confissões místicas, observações do mundo natural, num jogo de imagens que se desdobram em tramas diversas, ora romanescas, ora construtivistas, revelando que “toda loucura pode ser disfarçada com um chapéu na cabeça”.

O livro de poemas de Dante Filho surpreende não só pelas abordagens completamente novas em relação à atual produção poética de Mato Grosso do Sul, mas pela inserção de elementos concretistas em vários poemas, que, embora quebrem o ritmo da estrutura do livro, sugerem que fragmentos da realidade podem se tornar objetos de propósitos literários.

Independentemente do estranhamento que possa causar a obra, é patente que ela se insere desde já como elemento de proa da cultura sul-mato-grossense, distanciando-se dos inumeráveis lançamentos que ocorrem no Estado todos os meses, que dão ênfase a uma poética meramente confessional dos sentimentos românticos dos autores.

O jornalista Dante Filho é um profissional reconhecido por sua fecunda produção no campo das análises políticas e sociais, crônicas e contos, além de participar de fervorosas polêmicas nas redes sociais, agora revelando-se como um poeta de rara elegância, apresentando traços de introspecção pouco conhecido do público.

Com certeza, “Cabeça de Chapéu” entrará para a história.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp

Leia Também