A galinha, o porco e o nosso eleitor

OPORTUNO analisar o comportamento do eleitor brasileiro comparando-o aos papeis reservados à galinha e ao porco na composição do suculento e calórico ‘breakfast’ da mesa  matinal do povo americano – que acostumamos a ver no cinema. Pode até parecer uma comparação estranha, surreal, mas ao final o eleitor irá compreender e concordar com a linha de raciocínio. 

VEJAMOS: A galinha tem o papel meramente participativo na qualidade final do omelete através do fornecimento de seus ovos. Sua missão termina exatamente onde começou. Posta-se como eventual figurante desta cadeia de transformação alimentícia. Não é questionada sobre a qualidade do produto final e não há que se preocupar com as suas consequências. E assim a galinha segue a vida batendo asas com seu corococó. 

ENQUANTO isso ao porco cabe o papel decisivo e excepcional. Sua participação no evento é marcada pela ‘efetiva entrega’ da própria vida que gera o imprescindível toucinho. Sem ele, impossível compor a mesa do ‘breakfast’. Seu sabor é a marca inconfundível do bom omelete. Como se vê, o porco está realmente comprometido com esse processo alimentar. Digamos assim: morre literalmente por ele. 

O LEITOR já questiona neste tópico: “onde o eleitor entra neste cenário ou enredo?” Explico: o exercício do voto no Brasil é obrigatório mas o comparecimento é despido do sentimento de entrega, de efetivo envolvimento patriótico objetivando o bem estar da sociedade. O eleitor vota olhando apenas o próprio umbigo e só leva em conta os benefícios pessoais e imediatos que possa auferir. Não tem gesto de grandeza ou de sacrifício do porco em prol da qualidade do omelete. 

CONCLUSÃO: Sem o sentimento de entrega verdadeira do voto consciente, não há motivação para o exercício da vigilância e a cobrança prometida em palanque. Daí – para a passividade é um pulo! O eleitor brasileiro continua mais identificado com a postura da galinha. Já em relação ao comprometimento heroico do porco – jamais! “Brasil – um imenso aviário.” Eis aí um bordão interessante para o país. 

MUITO BOM! Com a nova previdência os políticos passarão para o Regime Geral, sujeitos as mesmas regras dos trabalhadores da iniciativa privada. Hoje a mamata é grande: eles (a) se aposentam aos 60 anos de idade ou 35 anos de contribuição. Como cada parlamentar recebe R$33.763,00, a aposentadoria equivale a R$11,5 mil por mês. 

PATRULHAMENTO Vivemos a praga do politicamente correto. Culpa do PT que tirou de nós o direito a opinar sobre determinados assuntos. O risco de ser chamado de racista, preconceituoso é enorme. Até o escritor Monteiro Lobato foi crucificado por criar a personagem Tia Anastácia que alegaram ser negra e discriminada na condição de empregada da família. 

ABSURDOS Em 2011 a Caixa Econômica Federal usou num filme um ator branco interpretando Machado de Assis (filho de negro com uma portuguesa branca). O fato atraiu a reação de entidades -apesar do escritor ser apenas moreno e não negro. Sob pressão, a Caixa suspendeu a campanha substituindo o personagem de Machado por um ator negro. Imagine o Pelé jogando hoje e sendo chamado de ‘negão’. 

PÉROLA machista de Luciano Bivar, presidente nacional do PSL sobre a cota das mulheres nas candidaturas: “…Se os homens preferem mais política do que a mulher, está certo, paciência, é a vocação. Se você fizer uma eleição para bailarinos e colocar uma cota de 50% para homens, você ia perder belíssimas bailarinas, porque a vocação da mulher para bailarina é muito maior do que a de homem.” 

“PLIM…PLIM” Uma farsa a cobertura da grande mídia dando destaque as intrigas ou picuinhas palacianas em prejuízo as prioridades que o país necessita, como a Reforma da Previdência. Ainda bem que existem as mídias sociais onde gente responsável mostra sua indignação com comentários abalizados e esclarecedores. O império do ‘Plim Plim’ não pode continuar pensando e decidindo por nós. 

“CONFUSÃO” Que bom seria se o Ministério Público Estadual adotasse a mesma consideração com as vítimas idosas como tem com as aves e animais. Venância Flores, aos 91 anos de idade, passa a ser apenas mais uma vítima na estatística dos absurdos. Atropelada e morta em 13/09/2017 por um carro dirigido pela mulher do procurador do MPE Gilberto Robalinho da Silva – configurou um caso indigesto. 

A prosperidade de homens públicos prova que eles lutam pelo progresso do nosso subdesenvolvimento. Stanislaw Ponte Preta

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp

Leia Também